|

Água de coco gaseificada

A água de coco carbonatada é a mais nova bebida desenvolvida pela engenheira de alimentos Marina Costa da Silva. A formulação contém dióxido de carbono (CO2), ácido ascórbico e sacarose. O produto demonstrou ter grande potencial mercadológico – nos testes sensoriais, por exemplo, a bebida foi muito apreciada e bem-aceita pelos consumidores, que destacaram que sua ingestão proporciona refrescância e uma sensação agradável.

A bebida, por utilizar água de coco integralmente, ou seja, não ter adição de água, mantém suas propriedades nutricionais ricas em sais minerais, além de ter baixo valor calórico. Atualmente, não existe produto similar no mercado. Estão disponíveis apenas aqueles que oferecem água de coco com mix de outras frutas, sem serem carbonatados. A maioria dos produtos que contém água de coco comercializada atualmente sofre, em seu processo de industrialização, tratamentos térmicos com altas temperaturas e, por isso, pode apresentar alterações sensoriais. “O objetivo foi desenvolver algo diferenciado, que fosse natural, saudável e aceitável do ponto de vista sensorial”, explica Marina Costa da Silva.

A engenheira apresentou a dissertação de mestrado “Avaliação de processo de carbonatação de água de coco (Cocus nucifera L.)” na Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA), sendo orientada pelo professor José de Assis Fonseca Faria. Ela esclarece que o aspecto econômico teve um peso importante no escopo da pesquisa. A ideia foi oferecer uma formulação possível de ser produzida até mesmo por pequenos produtores. Ela argumenta que, hoje, dependendo da tecnologia empregada, a água de coco industrializada pode ter altos custos e ser inviável economicamente.

Foram três anos de pesquisa e inúmeras tentativas para que a carbonatação fosse adequada – a engenheira tentou diferentes formulações para evitar a adição de conservadores químicos. Mas, neste aspecto, as tecnologias utilizadas não prescindiram das substâncias, uma vez que a estabilidade comercial do produto, ou seja, seu tempo de prateleira, consiste em um parâmetro importante. Neste sentido, um próximo estudo já foi iniciado para que, a partir da adição de conservadores químicos, possa se chegar a um produto que possa manter-se em temperatura ambiente.

Texto: Raquel do Carmo Santos
Fonte: Jornal da Unicamp

Postado por Fabrício Marques no(a) segunda-feira, 22 de junho de 2009 às 20:54. Categoria: . Você pode acompanhar quaisquer respostas a esta postagem através do RSS 2.0. Fique à vontade para deixar um comentário.

Categorias

Comentários Recentes

Últimas Notícias